« Voltar | Início » Artigos » A ELITE PAULISTA NÃO É SOLIDÁRIA NEM NA TRAGÉDIA

A ELITE PAULISTA NÃO É SOLIDÁRIA NEM NA TRAGÉDIA

*César Maia –  Especial

1. Getúlio Vargas dizia que era impossível governar o Brasil com a força da “bucha” (organização de estilo maçônico, -criada no séc 19- dos alunos da escola de direito do Largo de São Francisco, nos moldes alemães). Dos presidentes eleitos na República Velha, a “bucha” , “elegeu” pelo menos seis.

2. Depois dos paulistas eleitos na República, Prudente de Morais, Campos Sales e Rodrigues Alves, a “bucha” tentou emplacar mais um governador de SP (Bernardino Campos se a memória deste Ex-Blog vai bem). Não deu e para evitar o pior foi eleito Afonso Pena de MG, aliás, também da “bucha”, mas pelo menos de MG, iniciando a política do café (SP) com leite (MG).

3. Na eleição de 1930, o presidente Washington Luís, de SP -escolhido pela “bucha”- escolheu e elegeu -da forma que se elegia na época- o governador de SP, Julio Prestes, presidente do Brasil, pavimentando a Revolução de 30.

4. SP precisa saber que o Brasil não se confunde com SP. Aliás, presidentes como JK, terminaram sendo mais paulistas que muitos nascidos em SP. Certamente, para SP o melhor é que os demais estados brasileiros cresçam e criem mercado para SP.

5. Mas o paulicentrismo é cego. Imagina que SP sustenta o Brasil, e que o interesse de SP, é o interesse do Brasil. Parafraseando os piores momentos da política brasileira: “-O que é bom para SP, é bom para o Brasil”.

6. Agora na tragédia de Congonhas passa o mesmo. Poderíamos
contraparafrasear Otto Lara Resende: -As elites de SP não são solidárias com o Brasil nem numa tragédia como a de Congonhas. Ou diretamente: não são solidárias nem no câncer.

7. É evidente que o aeroporto de Congonhas é inviável, cercado de cidade por todos os lados. Também é verdade que nada se resolverá num piscar de olhos.
Mas é óbvio que descentralizar as operações aéreas -vôos- de SP para os aeroportos do Rio, de BH, de Salvador e se der, de Brasília é evidente. A centralização em SP -e não apenas em Congonhas- obedece à lógica das empresas aéreas de centralizar em SP os vôos de conexão e internacionais, com vistas a obter economias de escala.

8. Lixe-se a segurança do vôo e dos passageiros. Lixem-se todos, e que as empresas aéreas se lambuzem com esta economia de escala.

9. A tragédia de Congonhas trouxe esse fato à reflexão. Mas imediatamente o governador de SP diz que é contra outro aeroporto e o que quer é mais uma pista em Guarulhos, um metrô-trem de ligação de Guarulhos com o centro de SP. Ou seja: que SP continue centralizando o transporte aéreo e lixem-se os passageiros e os brasileiros. Em seguida defendeu sua tese junto a seu amigo do peito e atual ministro da defesa.

10. A reação da “bucha” era esperada: – Todo o poder aos
“sovietsbandeirantes”.

11. Só que agora é hora de se dizer -chega- como se disse na sucessão de Rodrigues Alves e de Washington Luis. O Brasil é muito mais que SP. Abaixo a “bucha” modernizada. É urgente -já e agora- descentralizar os vôos para RIO, BH, BSB e Salvador, antes que a próxima tragédia surja nos jornais e afete a todos -mais próximos ou menos próximos- das futuras vitimas.

12. Que esta descentralização venha logo e que a “bucha” não continue transfundindo sangue dos demais estados. Um pouco de solidariedade, sem ser no câncer, não fará mal a SP e fará bem aos passageiros e ao resto do Brasil.

* Prefeito do Rio de Janeiro

Share

Uma ideia sobre “A ELITE PAULISTA NÃO É SOLIDÁRIA NEM NA TRAGÉDIA

  1. Pingback: Ailton Medeiros » Blog Archive » A PODRE ELITE PAULISTANA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *