« Voltar | Início » Notas » E agora, Merval?

E agora, Merval?

Do 247:

Ironicamente, no momento em que veículos de comunicação elaboravam um discurso sobre as tentativas do PT de amordaçar e calar a imprensa, a partir do caso Yoani, quem se nega a responder uma pergunta pertinente de um jornalista, o repórter Felipe Recondo, é justamente o personagem mais cultuado pelos meios de comunicação nos últimos anos: o ministro Joaquim Barbosa; agredido, Estadão se acovarda e, na edição desta quarta-feira, não pública um mísero editorial a respeito; a questão é: Recondo prosseguirá nas suas apurações sobre Barbosa, em que “chafurdava no lixo” do STF, ou será amordaçado?

247 – Trazida pelo jornal Estado de S. Paulo ao Brasil, a blogueira Yoani Sánchez alimentou um discurso que começava a se cristalizar no País: o de que Partido dos Trabalhadores, há dez anos no poder, começava a incitar atos de violência contra jornalistas ou contra a chamada imprensa livre no Brasil. O ponto de partida foi uma reportagem de Veja, em que um funcionário da Secretaria-Geral da Presidência, Ricardo Poppi, subordinado ao ministro Gilberto Carvalho, foi acusado de participar de uma reunião na embaixada de Cuba, em Brasília, onde teria sido organizado o “plano de ataque” contra Yoani.

Esse suposto plano deu vazão a diversos editoriais em jornais, incluindo o próprio Estado, sobre a “intolerância” do PT e sua tentativa de censurar a imprensa – discurso que foi reforçado com a intenção do partido de apresentar uma Lei de Meios, para desconcentrar a propriedade e democratizar a comunicação no Brasil. Blogueiros de corte mais radical, como o “neocon” Reinaldo Azevedo, passaram a disseminar a tese de que, num futuro breve, jornalistas brasileiros serão agredidos por milícias petistas. E Merval Pereira, do Globo, relatou ter vivido seu “momento Yoani”, depois de ser xingado e ter seu carro cercado no Rio de Janeiro (leia mais em “A violência é a mais nova esperança da oposição”).

Parecia tudo pronto para o dia em que um representante da chamada “imprensa livre” seria espancado por “fascistóides petistas”. De repente, vem a surpresa: quem resolve agredir um jornalista é justamente o personagem mais cultuado pela imprensa na história recente: o ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, que, nos últimos anos, deu várias demonstrações de que comete agressões em série, inclusive contra os próprios colegas (leia mais aqui).

Barbosa agrediu Felipe Recondo, repórter que cobre o Poder Judiciário com grande competência, porque não queria responder a uma questão absolutamente pertinente: como ele encara uma nota assinada por três associações de juízes, que criticam seu comportamento “superficial”, “preconceituoso” e, sobretudo, “desrespeitoso”. Barbosa foi alvo de críticas porque, numa entrevista, declarou que os juízes no Brasil têm mentalidade pró-impunidade – seriam, portanto, cúmplices do crime.

Até agora, Barbosa já emitiu uma nota pedindo desculpas de forma generalista à imprensa, mas a pergunta continua no ar, sem resposta. Procurada por nossa reportagem, a assessoria de imprensa do Supremo Tribunal Federal não respondeu ao 247 o questionamento que seria feito por Recondo. Como, afinal, o ministro recebe as críticas feitas por três associações de magistrados?

O mais espantoso do episódio é a reação tíbia e covarde do Estado de S. Paulo. Na edição desta quarta-feira, não há um mísero editorial sobre a agressão cometida por Joaquim Barbosa a seu profissional. O diretor de Redação, Ricardo Gandour, disse que não comentaria o caso. O único que falou foi o jornalista João Bosco Rabello, que comanda a sucursal do Estadão em Brasília, em razão da boa relação que mantém com Marco Damiani, diretor de redação do 247 (leia mais aqui).

Barbosa acusou Recondo de “chafurdar no lixo”. Nos bastidores do Poder Judiciário, consta que o repórter vinha levantando despesas ordenadas pelo gabinete do ministro nos últimos anos. Daí a acusação de “chafurdar”. A questão, agora, é: Recondo irá prosseguir na sua apuração ou será calado e amordaçado depois da agressão cometida por Joaquim Barbosa?

Share

8 ideias sobre “E agora, Merval?

  1. Ailton, o mundo vai se acabar !!!
    Primeiro: o que o Joaquim Barbosa disse acerca da juizada brasileira é CORRETÍSSIMO. a Justiça Brasileira é leniente, totalmente absolutória, pró-bandido e libertadora de marginais. Veja o caso exemplar de Pimenta Neves, uma monstruosidade. E a decisão do STF, há alguns anos atrás, de permitir progressão de pena para crimes hediondos. A vida de um brasileiro, em face do seu assassino, não vale mais que seis ou oito anos de prisão, na prática, E olhe lá, SE o cara for julgado !!!
    Segundo: a agressão de Joaquim Barbosa ao repórter foi um ESCÂNDALO de proporções internacionais, e mostrou o diabo que se esconde por trás da “toga de Batman” do Ministro.
    Terceiro: Mais escandalosa, muito mais escandalosa do que a agressão ministerial suprema, foi a inacreditável COVARDIA do Estadão.
    Concluindo: detesto juízes frouxos com bandidos; odeio poderosos tiranos; ABOMINO covardes !!!

  2. Eu acho que Barbosa está nervoso porque o repórter está chafurdando no lixo do Mensalão Mineiro e da CPI do Banestado (a da Privataria Tucana), os seus calcanhares de Aquiles.
    E o Zé Dirceu do mensalão mineiro é Aécio Neves.
    Segura essa, Barbosão!

    Astrogildo Cruz

  3. É o heroi decepcionou:já não se fazem herois como antigamente.

  4. Nunca me enganei com aquele ministro após empreender com sede ao pote no Mensalão que não existiu. Sabe por que? Aquele Jefferson foi pago pela oposição para aquele, indiretamente (será que foi indiretamente?) agir como agiu e, como os jornalistas investigativos sérios vão no âmago da causa, o pobrezinho não se conteve e o agrediu.

    Quem num mundo não perde a cabeça quando sua fonte FINANCEIRA é abalada ou ameaçada de ruir?

    Provem ao contrário!

  5. Vamos ao texto:
    Primeiro, está mais do que provado que PeTralhas adoram uma ditadura. São os comunistas de CuBrasil! Basta observar-se o que aconteceu com a passagem da blogueira cubana pelo Brasil. Não se tratou de um “suposto plano”. Ficou mais que provado que a seita lulopetista quer sim censurar a imprensa com seus falcões. Uma imprensa e democracia que contribuiu para essa corja assumisse o poder.
    Segundo, o Reinaldo Azevedo foi extremamente claro quando cobrou uma desculpa do ministro ao repórter, não a imprensa em geral.
    Terceiro, com relação a silêncios, a mais de cem dias se espera uma simples explicação que seja, do Luis Inácio Lover da Silva sobre sua amante e o cargo que ocupava, extinto pela governanta mor.

  6. E aí Caro Ailton, onde se encontram os defensores do PIG, seus asseclas e comensais, inclusive alguns milicos de plantão, sejam eles de pijama ou não.

    Afinal, cadê o pessaol….!!!!

    Um abraço

    FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO.
    OAB/RN. 7318.

  7. Enquanto o Ministro se trata na Alemanha e tem servidor pago pelo erário para trocar de cadeira de cinco em cinco minutos, um doente da coluna, do SUS, padece nas filas dos postos de saúde e troca voto por cadeira de rodas, com político que aplaude o Ministro. O nome disso é Status Quo.

  8. O Manoel Macedo esquece que o Joaquim Barbosa se trata na Alemanha porque lá estão os melhores especialistas para a saúde dele e o faz sem estardalhaço, diferentemente do Luiz Inácio Bazófia da Silva que acometido por um câncer se tratou nos melhores hospitais particulares do Brasil, quando acabara de afirmar que o sistema público estava perto da perfeição e que dava até vontade de adoecer (Deus castiga!). Se a múmia venezuelana tivesse procurado os mesmos hospitais daqui certamente teria tido maior chance de sobrevida, mas preferiu a grande Cuba com a sua descoberta da cura do câncer!
    Informo também ao Dr. Fransuêldo que os milicos continuam sempre alertas não apenas fazendo a eficiente segurança do Joaquinzão como bem representados no Congresso através do Bolsanaro. Este em pronunciamento na casa semana passado fez o Jenuíno-futuro-encarcerado sair do plenário quando algumas verdades começaram a ser ditas. A verdade dói, fazer o que?
    Outra coisa legal desse democrático espaço é a presença de alguns PILAs (perfeito idiota latino americano) como o Rodrigues, para quem o mensalão nunca existiu, mas acredita em papai noel, cura do câncer em Cuba, que o Brasil vai ganhar a próxima copa, no Fome Zero e que a pobreza finalmente foi extinta por decreto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *