« Voltar | Início » Posts tagged "ESTADÃO"

Yale recua de ação contra correspondente de jornal brasileiro

Claudia Trevisan - jornalista

Do Estadão

A Universidade Yale, nos EUA, divulgou nota neste sábado, 28, sobre a detenção da correspondente do Estado em Washington, Claudia Trevisan, na quinta-feira. A instituição alegou que a prisão da jornalista foi “justificada”, mas afirmou que não “planeja acionar a promotoria local” para pedir a abertura de uma ação penal contra Claudia Trevisan.

A correspondente do Estado foi detida por quase cinco horas quando tentava localizar o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, que participava de um seminário na universidade sobre direito constitucional. Ela foi algemada, mantida em um carro policial e, depois, numa cela do departamento de polícia da universidade. A jornalista brasileira foi libertada após autuação por “invasão de propriedade”.

No comunicado – assinado pelo secretário de imprensa Tom Conroy -, Yale reafirma o motivo da prisão e diz que “a polícia seguiu os procedimentos normais, sem que a sra. Trevisan fosse maltratada”.

A jornalista se disse surpresa com a afirmação. “Algemas são coisas dolorosas para usar. Ser impedida de fazer um telefonema durante cinco horas é uma violência terrível. Ser tratada como criminosa e colocada em uma cela, onde você precisa fazer xixi na frente de policiais, é uma humilhação extrema”, afirmou. “Em todo esse processo, ninguém de Yale tentou ouvir a minha versão dos fatos. Surpreende-me, pois é uma faculdade de direito. Segue, na íntegra, a nota:

Antes de chegar ao Campus da Universidade Yale no dia 26 de setembro para tentar entrevistar o ministro Barbosa, a sra. Trevisan já sabia que o Seminário Constitucionalismo Global ministrado por ele seria um evento privado, fechado para o público e para a imprensa. Ela invadiu a propriedade de Yale, entrou na Faculdade de Direito sem permissão e quis entrar em outro prédio onde os participantes do seminário estavam.

Quando ela foi questionada sobre o motivo pelo qual estava no prédio, ela afirmou que estava procurando um amigo com quem pretendia se encontrar. Ela foi presa por invasão de propriedade. A polícia seguiu os procedimentos normais, sem que a sra. Trevisan fosse maltratada. Apesar de justificada a prisão por invasão, a universidade não planeja acionar a promotoria local para levar adiante a acusação.

A Faculdade de Direito e a Universidade Yale acomodam milhares de jornalistas ao longo do ano para eventos públicos no campus e entrevistas com membros da comunidade de Yale e visitantes.

Assim como todos os jornalistas, a sra. Trevisan é bem-vinda para participar de qualquer evento público em Yale e falar com qualquer pessoa que desejar lhe conceder entrevista.

TOM CONROY, SECRETÁRIO DE
IMPRENSA DA UNIVERSIDADE YALE

Share

Que horror! Correspondente do Estadão é presa e algemada nos EUA a pedido de Joaquim Barbosa!

A correspondente do Estado em Washington, Cláudia Trevisan, foi detida nesta quinta-feira, 26, na Universidade Yale, uma das mais respeitadas dos Estados Unidos, enquanto tentava localizar o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, que fazia uma conferência no local.

A jornalista foi algemada e mantida incomunicável por quase cinco horas, inicialmente dentro de um carro policial e depois em uma cela do distrito policial de New Haven, cidade onde fica a universidade. Sua liberação ocorreu apenas depois de sua autuação por “invasão de propriedade privada”. O fato novo é que a jornalista pode ter sido detida a pedido do próprio Joaquim Barbosa. Ou seja, um absurdo!

Segue texto abaixo do Jornal GGN:

Pelo relato da correspondente do Estadão, Cláudia Trevisan – que foi detida e algemada pela polícia, ao tentar assistir a uma palestra do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa na Universidade de Yale – a maior suspeita sobre o causador do episódio recai sobre o próprio Barbosa.

A correspondente entrou normalmente em Yale, circulou pelos corredores em que circulam alunos, professores e visitantes.

Ao pedir informações a um policial, foi detida. E as declarações do policial deixam as pistas sobre a origem das denúncias contra a correspondente:

“Foi o único momento em que me alterei. Disse que ele não podia fazer isso. Ele respondeu que sim e teve seu êxtase autoritário: we know who you are, you are a reporter (você sabe quem você é, você é uma repórter). Que crime!!!! We have your picture, you were told several times you could not come (Nós temos sua foto, você foi avisada várias vezes que não podia vir)”.

A troco de quê a policia de Yale teria uma foto da correspondente? Foram avisados por quem, se a única pessoa que sabia de sua ida à Universidade era o próprio Joaquim Barbosa?

Mais. Segundo o relato:

“Fui algemada enquanto ele dizia “you know why you are being arrested, no?” (você sabe porque está sendo presa, não?). Ao que eu dizia que não. “You were told several times you could not come here” (Você foi avisada diversas vezes que não poderia vir aqui). Ao que eu repetia que não”.

Ora, pelo relato, a única pessoa que sabia da ida de Trevisan ao evento era o próprio Joaquim Barbosa. Segundo a matéria do Estadão

“Ela também havia conversado previamente, por telefone celular, com o próprio ministro Barbosa, a quem solicitou uma entrevista. Barbosa disse que não estava disposto a falar com a imprensa. Claudia, então, informou o presidente do STF que o aguardaria e o abordaria do lado de fora do prédio”.

‘Não entrei escondido nem forcei a entrada’

Leia a íntegra do relato da correspondente do ‘Estado’ em Washington, Cláudia Trevisan, enviado ao embaixador Cézar Amaral, cônsul-geral do Brasil em Hartford (EUA)
27 de setembro de 2013 | 19h 04

Cláudia Trevisan – correspondente do Estado em Washington Continuar lendo

Share

O 7 de Setembro de 2013 não passou de 171 da velha mídia

O fiasco dos protestos agendados para o 7 de Setembro foi um grande fiasco. Quem perdeu foi a velha mídia que apostou suas fichas, acreditando que o ronco da rua acordaria o gigante adormecido. Nada mais fascista, não é mesmo? Bem, o jornalista Paulo Moreira Leite escreveu uma análise impecável a respeito cujo título é Crocodilos derrotados. Segue abaixo:

Nossos cronistas que tentam impedir que os condenados da Ação Penal 470 tenham direito a uma revisão adequada de suas penas e mesmo uma segunda jurisprudência perderam um argumento depois de ontem.

Numa postura autoritária, que confundia seus desejos com a realidade, falavam do monstro, do ronco, do demônio das ruas para justificar a prisão imediata dos condenados.

Mas tivemos protestos de participação modesta, que confirmam não só a vergonhosa ignorância da fatia conservadora da elite de nossos meios de comunicação quanto às preocupações reais que afligem a maioria da população, mas também sua total falta de compromisso com a apuração e divulgação de fatos verdadeiros e informações confiáveis.

Querem fazer propaganda, querem ideologia – e não é difícil entender a razão.

Interessados num eventual proveito político do julgamento, tentam chantagear as instituições da democracia, sem importar-se, sequer, com outros prejuízos de natureza cultural que o estimulo à baderna possa produzir.

Como observou Janio de Freitas, pela primeira vez na história as pessoas saíram a rua num 7 de setembro sem “incluir, sequer remotamente, algo da ideia de nacionalidade, ou de soberania, de independência mesmo.”

Diz ainda Janio: “pelo visto, não faria diferença se, em vez do Sete de Setembro, a celebração mais próxima fosse o Natal. Ou Finados.”

Lembrando que somos uma pátria de desiguais, o Grito dos Excluídos disse a que veio. Mas só.

Os demais não disseram nada, embora fosse sobre eles que se disse tudo – especialmente, que o STF deveria se acovardar.

Há um componente maligno e manipulador nesse esforço para anunciar que um protesto será uma manifestação grandiosa.

Procura-se estimular o efeito manada naquele conjunto de cidadãos capazes de sair a rua porque acham que “todo mundo vai estar lá”. Numa sociedade pouco organizada como a nossa, onde os partidos políticos são o que são e as demais organizações sociais são aquilo que se conhece, muitas pessoas sentem-se desenraizadas e sem compromisso social maior. Ficam impressionadas com demonstrações de força.

Tenta-se contaminar nestes indivíduos um sentimento de solidão e isolamento caso não acompanhem os atos daqueles que se quer transformar numa “maioria” que ninguém ouviu nem diz onde mora nem sabe o que pensa – e muitas vezes nem pode ver o rosto, o que não é casual. Continuar lendo

Share

Pede para sair, Felipe Recondo!

Joaquim Barbosa 1

Na Folha deste domingo, o jornalista Elio Gaspari exige que Joaquim Barbosa, presidente do STF, peça desculpa ao repórter Felipe Recondo.

O Estadão pensa diferente.

Em editorial deste domingo, o jornal sai em defesa de Barbosa que foi criticado por três associações de magistrados. Curiosamente, Recondo queria apenas saber como Barbosa encarava essas críticas. O presidente do STF não respondeu as perguntas e chamou o repórter de “palhaço”.

Pois bem, no editorial “Magistratura dividida”, o jornal diz que as críticas dos juízes ao ministro são “injustas”.

Resumo da ópera: Barbosa estava certo quando determinou que o repórter fosse “chafurdar no lixo”.

Se Felipe Recondo tiver um pouco de dignidade – eu pessoalmente acredito que tenha – pede demissão e vai embora.

Share

E agora, Merval?

Do 247:

Ironicamente, no momento em que veículos de comunicação elaboravam um discurso sobre as tentativas do PT de amordaçar e calar a imprensa, a partir do caso Yoani, quem se nega a responder uma pergunta pertinente de um jornalista, o repórter Felipe Recondo, é justamente o personagem mais cultuado pelos meios de comunicação nos últimos anos: o ministro Joaquim Barbosa; agredido, Estadão se acovarda e, na edição desta quarta-feira, não pública um mísero editorial a respeito; a questão é: Recondo prosseguirá nas suas apurações sobre Barbosa, em que “chafurdava no lixo” do STF, ou será amordaçado?

247 – Trazida pelo jornal Estado de S. Paulo ao Brasil, a blogueira Yoani Sánchez alimentou um discurso que começava a se cristalizar no País: o de que Partido dos Trabalhadores, há dez anos no poder, começava a incitar atos de violência contra jornalistas ou contra a chamada imprensa livre no Brasil. O ponto de partida foi uma reportagem de Veja, em que um funcionário da Secretaria-Geral da Presidência, Ricardo Poppi, subordinado ao ministro Gilberto Carvalho, foi acusado de participar de uma reunião na embaixada de Cuba, em Brasília, onde teria sido organizado o “plano de ataque” contra Yoani.

Esse suposto plano deu vazão a diversos editoriais em jornais, incluindo o próprio Estado, sobre a “intolerância” do PT e sua tentativa de censurar a imprensa – discurso que foi reforçado com a intenção do partido de apresentar uma Lei de Meios, para desconcentrar a propriedade e democratizar a comunicação no Brasil. Blogueiros de corte mais radical, como o “neocon” Reinaldo Azevedo, passaram a disseminar a tese de que, num futuro breve, jornalistas brasileiros serão agredidos por milícias petistas. E Merval Pereira, do Globo, relatou ter vivido seu “momento Yoani”, depois de ser xingado e ter seu carro cercado no Rio de Janeiro (leia mais em “A violência é a mais nova esperança da oposição”).

Parecia tudo pronto para o dia em que um representante da chamada “imprensa livre” seria espancado por “fascistóides petistas”. De repente, vem a surpresa: quem resolve agredir um jornalista é justamente o personagem mais cultuado pela imprensa na história recente: o ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, que, nos últimos anos, deu várias demonstrações de que comete agressões em série, inclusive contra os próprios colegas (leia mais aqui).

Barbosa agrediu Felipe Recondo, repórter que cobre o Poder Judiciário com grande competência, porque não queria responder a uma questão absolutamente pertinente: como ele encara uma nota assinada por três associações de juízes, que criticam seu comportamento “superficial”, “preconceituoso” e, sobretudo, “desrespeitoso”. Barbosa foi alvo de críticas porque, numa entrevista, declarou que os juízes no Brasil têm mentalidade pró-impunidade – seriam, portanto, cúmplices do crime.

Até agora, Barbosa já emitiu uma nota pedindo desculpas de forma generalista à imprensa, mas a pergunta continua no ar, sem resposta. Procurada por nossa reportagem, a assessoria de imprensa do Supremo Tribunal Federal não respondeu ao 247 o questionamento que seria feito por Recondo. Como, afinal, o ministro recebe as críticas feitas por três associações de magistrados?

O mais espantoso do episódio é a reação tíbia e covarde do Estado de S. Paulo. Na edição desta quarta-feira, não há um mísero editorial sobre a agressão cometida por Joaquim Barbosa a seu profissional. O diretor de Redação, Ricardo Gandour, disse que não comentaria o caso. O único que falou foi o jornalista João Bosco Rabello, que comanda a sucursal do Estadão em Brasília, em razão da boa relação que mantém com Marco Damiani, diretor de redação do 247 (leia mais aqui).

Barbosa acusou Recondo de “chafurdar no lixo”. Nos bastidores do Poder Judiciário, consta que o repórter vinha levantando despesas ordenadas pelo gabinete do ministro nos últimos anos. Daí a acusação de “chafurdar”. A questão, agora, é: Recondo irá prosseguir na sua apuração ou será calado e amordaçado depois da agressão cometida por Joaquim Barbosa?

Share

Ministro chama repórter de palhaço e alega dores

Joaquim Barbosa irritado

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, chamou de “palhaço” e mandou “chafurdar no lixo” o repórter do Estado. O ministro irritou-se ao ser abordado nesta terça-feira, na saída da sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Ouça o que o presidente do STF disse ao repórter do Estado

Os jornalistas esperavam ao final da sessão para ouvi-lo sobre as críticas que recebeu das associações de classe da magistratura em nota divulgada no final de semana. Antes que a primeira pergunta fosse feita, Barbosa atacou.

O repórter apenas iniciou a pergunta: “Presidente, como o senhor está vendo…”. Barbosa o interrompeu e não deixou que terminasse a pergunta: “Não estou vendo nada”. O repórter tentou fazer nova pergunta, mas novamente foi impedido. “Me deixa em paz, rapaz. Vá chafurdar no lixo como você faz sempre”.

O jornalista tentou questionar a razão do comportamento do ministro. “Que é isso ministro, o que houve?”. Ainda exaltado, Joaquim Barbosa prosseguiu. “Estou pedindo, me deixe em paz. Já disse várias vezes ao senhor”, disse. O repórter disse que apenas lhe fazia uma pergunta, o que é parte de seu trabalho.

No mesmo tom, Barbosa afirmou que não responderia as perguntas. “Eu não tenho nada a lhe dizer, não quero nem saber do que o senhor está tratando”, afirmou.

O assessor de imprensa do ministro tentou tirá-lo do lugar, pedindo para que o ministro seguisse em frente. E quando estava à porta do elevador, na frente dos jornalistas, chamou o repórter de “palhaço”.

O presidente do STF foi criticado pelas associações de magistrados pelas críticas que fez aos juízes em entrevista concedida na semana passada a agências internacionais. Barbosa afirmou que os juízes brasileiros são pró status quo e pró impunidade.

Na nota, as associações argumentaram que as declarações do presidente do Supremo foram preconceituosas, generalistas, superficiais e desrespeitosas.

Veja a nota oficial emitida pelo STF: 

“Brasília, 05 de março de 2013

Em nome do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ministro Joaquim Barbosa, peço desculpas aos profissionais de imprensa pelo episódio ocorrido hoje, quando após uma longa sessão do Conselho Nacional de Justiça, o presidente, tomado pelo cansaço e por fortes dores, respondeu de forma ríspida à abordagem feita por um repórter. Trata-se de episódio isolado que não condiz com o histórico de relacionamento do Ministro com a imprensa.

O ministro Joaquim reafirma sua crença no importante papel desempenhado pela imprensa em uma democracia. Seu apego à liberdade de opinião está expresso em seu permanente diálogo com profissionais dos mais diversos veículos. Seu respeito pelos profissionais de imprensa traduz-se em iniciativas como o diálogo que iniciará no próximo dia 07 de março, quando receberá em audiência o Sr. Carlos Lauria, representante do Comitê para Proteção de Jornalistas (CPJ), ONG com sede em Nova Iorque.

Wellington Geraldo Silva
Secretário de Comunicação Social – SCO
Supremo Tribunal Federal”

Share

Barrigas de aluguel

Do 247

A SEMANA DOS GRANDES ERROS NA GRANDE IMPRENSA

Primeiro, a Folha noticiou uma reunião de emergência sobre o setor elétrico, que era rotineira. O Estadão, em letras garrafais, anunciou que o Ministério Público investigaria o ex-presidente Lula. E o Globo avisou que empresários já estariam fazendo seu próprio racionamento. Três exemplos “wishful thinking”, em que a vontade política dos editores se impõe à objetividade dos fatos. Se isso não bastasse, Veja também derrapou feio ao anunciar uma megafusão bancária que não houve

12 DE JANEIRO DE 2013 ÀS 06:30

 247 – Wishful thinking. A expressão inglesa é a melhor tradução para o comportamento dos grandes jornais brasileiros na semana que passou e expressa um dos principais erros do pensamento, que é o de transformar desejos em realidade. Em vez de narrar os fatos como eles são, a história é contada como gostaríamos (ou gostariam) que fosse.

Entre pessoas comuns, o erro é perdoado. Mas quando se trata de grandes jornais, que têm o dever da objetividade, a questão se complica. A semana que passou, para a grande imprensa, foi também a semana dos grandes erros. Não pequenos deslizes, mas erros colossais, que, em alguns casos, foram escritos em letras garrafais – fugindo até ao padrão gráfico das publicações.

O jogo dos erros começou com a Folha de S. Paulo, dos Frias, que, na segunda-feira, anunciou: “Escassez de luz faz Dilma convocar o setor elétrico”. No subtítulo, a mensagem de que, na “reunião de emergência”, seriam discutidas medidas contra o racionamento, sob a imagem de uma vela acesa na escuridão. Este era o desejo – o wishful thinking. A realidade, no entanto, é que a reunião não era emergencial nem haverá racionamento.

No dia seguinte, foi a vez do Estadão, principal concorrente da Folha, que não ficou atrás. O sonho da família Mesquita, que controla o jornal, talvez seja ver o ex-presidente Lula atrás das grades. E a manchete “MPF vai investigar Lula” veio em negrito e letras gigantes como se anunciasse que a Alemanha nazista foi derrotada pelos aliados. Mais um exemplo de wishful thinking. No mesmo dia, a “informação” foi negada pelo procurador-geral Roberto Gurgel.

O Globo, dos Marinho, naturalmente, não poderia ficar de fora da festa e anunciou que grandes grupos empresariais já planejam racionar energia. Outra demonstração de um desejo – na quinta-feira, após uma reunião com a presidente Dilma, os principais empresários do País deram demonstrações públicas de que não estão trabalhando com a hipótese de apagão.

Se tudo isso não bastasse, houve também a barriga de Veja Online, que, também nesta semana, anunciou a fusão entre Bradesco e Santander. Neste caso, não era wishful thinking. Apenas um erro de informação e os jornalistas responsáveis foram demitidos.

De todo modo, a semana foi exemplar ao escancarar os riscos que se corre quando a vontade política dos editores se sobrepõe à objetividade dos fatos.

PS: até agora, apenas a Folha admitiu o erro, ainda que em letras miúdas.

Share

No Brasil, o sucesso é um risco de vida

Oh, tomai cuidado, meu Senhor, com a inveja;
Pois ela é um monstro de olhos esverdeados
Que zomba da mão daquele que a alimenta
(Shakespeare)

Numa crônica de 1969, Nelson Rodrigues cunhou uma frase reveladora do caráter tupiniquim. O que disse o autor de “Vestido de Noiva”? “No Brasil o sucesso é um risco de vida”.

Segundo Nelson, o ser humano é tão suscetível de inveja que só raríssimos espíritos superiores suportam o êxito alheio. “Ai daquele que, por imprudência, revela um mínimo de competência”, escreveu o autor de “Vestido de noiva”.

Eis o erro, letor hipócrita, meu igual, meu irmão, do neurocientista Miguel Nicolelis. Pesquisador premiado nos EUA, respeitado na comunidade científica, Nicolelis está sendo alvo de uma campanha suja patrocinada por um grande veículo brasileiro.

Instituto de Nicolelis enfrenta ‘apagão científico’

Após saída de boa parte da equipe, há 18 meses, IINN nada produziu, mas neurocientista continua recebendo volumosas verbas do governo

Herton Escobar – O Estado de S.Paulo

O Instituto Internacional de Neurociências de Natal (IINN), inaugurado no início de 2007 sob o comando do neurocientista Miguel Nicolelis, passa por um apagão científico desde julho de 2011, quando praticamente toda sua equipe de pesquisadores, técnicos e alunos (mais de 90 pessoas no total) abandonou o projeto e fundou um outro centro de pesquisa na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), batizado de Instituto do Cérebro (ICE).

Neurocientista Miguel Nicolelis no Centro de Pesquisas de Macaíba, em 2011 - Vlademir Alexandre/AE
Vlademir Alexandre/AE
Neurocientista Miguel Nicolelis no Centro de Pesquisas de Macaíba, em 2011

Desde então, o IINN não publicou nenhum trabalho científico novo. Sua equipe de pesquisadores residentes foi reduzida a seis cientistas sem vínculos acadêmicos e três estudantes de pós-graduação, ocupando uma infraestrutura predial e laboratorial que recebeu volumes expressivos de recursos públicos nos últimos oito anos, bem acima dos padrões da ciência nacional.

A Associação Alberto Santos Dumont para apoio à Pesquisa (AASDAP), entidade privada sem fins lucrativos que administra o IINN, presidida por Nicolelis, já tem garantido R$ 41,8 milhões em novos recursos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e suas agências para fins de pesquisa e educação científica, segundo um levantamento feito pelo Estado, com dados do Portal da Transparência do governo federal.

“Estamos pagando para ele fazer pesquisa nos Estados Unidos? É isso que queremos saber”, questiona uma liderança da comunidade científica nacional. Nicolelis é professor titular da Universidade Duke, nos EUA, e não tem vínculo empregatício com nenhuma instituição de ensino e pesquisa no País. “A contribuição pessoal dele para a ciência brasileira é zero”, diz a fonte, que pediu para não ter o nome revelado, por medo de represálias. “Quem produzia a ciência era o pessoal que foi embora.”

O motivo do “racha” no IINN, segundo fontes ouvidas pelo Estado, teria sido a personalidade difícil de Nicolelis, que, apesar de raramente estar presente no instituto, controlava todas as decisões a distância, desde as coisas mais banais, como a instalação de tomadas, até quem podia entrar no prédio e quais experimentos podiam ser realizados.

Nicolelis, na ocasião, minimizou o ocorrido e publicou uma carta dizendo que “o término da colaboração já estava previsto” e não representava “nenhum prejuízo na continuidade das pesquisas desenvolvidas pela equipe própria de pesquisadores contratados pela AASDAP”. Na mesma hora, divulgou uma lista com os nomes de 31 cientistas estrangeiros que passariam a “colaborar permanentemente com a equipe científica do instituto, atuando como orientadores, pesquisadores e chefes de projetos”.

A notícia no site do IINN era ilustrada com uma foto de Nicolelis em Brasília ao lado do então ministro da Educação, Fernando Haddad, cercados por 20 pessoas que representariam a nova equipe científica do instituto.

Quase metade das pessoas na foto, porém, era de cientistas do laboratório de Nicolelis na Universidade Duke, que retornaram aos EUA e não têm vínculo formal com o IINN. Fato que não passou despercebido por outros membros da comunidade científica.

“Ele mandou trazer pessoas de fora que, no dia seguinte, voltaram para os EUA. Não foi um procedimento decente”, declarou o neurocientista Ricardo Gattass, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), um dos vários cientistas ouvidos pela reportagem que apoiaram Nicolelis no início do projeto, mas mudaram de opinião sobre ele nos últimos anos.

“A coisa mais importante na vida de um cientista é seu compromisso com a verdade”, afirmou Gattass, que durante oito anos foi superintendente de Universidades e Instituições de Pesquisa da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), órgão do MCTI que deu o primeiro R$ 1,5 milhão para a criação do IINN em Natal, ainda em 2004. Continuar lendo

Share